Caminhoneiros, vacinem-se contra a gripe

Caminhoneiros, vacinem-se contra a gripe

A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe, do Ministério da Saúde, começou na última quinta-feira, 16/04, e incluiu categorias consideradas essenciais como os caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo e trabalhadores portuários. Além dessas, outros dois segmentos de profissionais também já podem ser vacinados: os doentes crônicos e profissionais das forças de segurança e salvamento.

O anúncio da inclusão dos caminhoneiros e demais categorias foi uma opção do Ministério da Saúde que priorizou os profissionais que atuam nos portos, no transporte de cargas, motoristas de transporte coletivo, expostos diariamente porque estão na linha de frente e prestando serviços essenciais.

A vacina ora aplicada NÃO protege contra o novo coronavírus, mas sim contra os três tipos de gripes mais comuns registrada no Hemisfério Sul no ano passado: Influenza A (H1N1) Influenza B e Influenza A (H3N2).

Para se vacinar o caminhoneiro deve procurar um posto de saúde, em qualquer município, independente do estado onde resida e deve apresentar um documento de comprovação da sua atuação, que pode ser a carteira de trabalho, holerite acompanhado de documento de identidade, carteirinha de associado (a) do sindicato de transportes (categoria de motorista), carteira de habilitação (para motoristas das categorias C ou E) ou crachá funcional.

Desde 23 de março, até os primeiros dias de abril, na primeira fase da campanha, cerca de 15,6 milhões de doses foram aplicadas em idosos, o que significa 62,6% da meta do Ministério da Saúde. Até o final de maio, quando termina a terceira e última fase da campanha, exatamente em 22 de maio, o governo espera imunizar pelo menos 90% de cada um desses grupos.

E, para reforçar a importância deste esforço, o dia 9 de maio será o dia “D” de mobilização nacional para a vacinação. 

Com informações do Ministério da Saúde e da Infraestrutura – https://is.gd/5ocUKihttps://is.gd/arNrGa

 

Compartilhar

Gisela Vendramini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *